MANUEL DE GODOY  E ÁLVAREZ DE FARIA

DUQUE DE ALCUDIA E PRINCIPE DA PAZ

Manuel de Godoy e Alvarez de Faria nasceu em sua casa da atual rua Santa Lucía de Badajoz, o 12 de junho de 1767 e morreu exilado em Paris em outubro 1851. Filho de um coronel do exercito e entroncado familiarmente com as Ordens Militares de Santiago e Calatrava, recebeu uma privilegiada educação ilustrada, própria das famílias poderosas da época. Em 1784, quando mal contava 17 anos, é nomeado junto a seu irmão Luis guarda de Corps. A cercania à família real, suas extraordinárias dotes pessoais e suas relações a nível político, permitiram-lhe conhecer e gozar o favor dos Príncipes de Asturias.Para os historiadores fica a interpretação de como conseguiu ascender em sua carreira política, em especial depois da morte de Carlos III e o início do reinado de seu filho Carlos IV.O verdadeiro é, que a partir desse momento, sua carreira e influência se desenvolvem de forma vertiginosa: Coronel de Cavalaria, Comendador de Santiago, Marechal de Campo, Duque de Alcudia, Grande de Espanha e Tenente Geral dos exércitos, já o ano 1793.

Uns anos antes, depois do início da Revolução Francesa, o governo espanhol por meio de seu premiê Floridablanca, clausura a fronteira, ante as ameaças das novas idéias provenientes de França. Com a queda de Luis XVI, Floridablanca se enfrenta à Assembléia Francesa, sendo destituído pelo rei, que se vê obrigado a reconhecer a legitimidade da nova situação, a mudança da neutralidade espanhola. Pouco depois, o novo ministro, Aranda é destituído e Manuel de Godoy o substitui por Godoy quando tão só tinha 25 anos de idade.Tenta durante um tempo manter a neutralidade conseguida, apesar dos acontecimentos que se sucederam no país vizinho, até que a atitude de seu amigo o rei, Carlos IV, provoca a suas costas, a ira de França que declara a guerra a Espanha.

Godoy toma a iniciativa e invade o país vizinho, mas depois de rápidas e iniciais vitórias, seu pouco preparado exército ao comando do General Ricardos, é derrotado cerca de Perpignan. França, EM reposta Ao acosso inicial contraataca e se interna até chegar ao vale do Ebro. Em julho de 1795 para evitar males maiores, consegue assinar um armisticio, a paz de Basilea, cujo custo foi a perda em favor de França, da Ilha de Santo Domingo.

Pouco depois assinou o Tratado de San Ildefonso, pelo que Espanha e França se convertem em aliados frente a Grã-Bretanha, com a intenção entre outras coisas de poder recuperar a vaga de Gibraltar. Depois de numerosos confrontos com os britânicos, que produziram copiosos gastos para ambos reinos, assinou-se a paz com Inglaterra, ante a irritação da República Francesa.

Os reis de Espanha, segundo alguns pais ou protetores de Godoy, tentam pôr fim à tortuosa vida sentimental do ministro e propõem seu casamento com Teresa de Borbón.. O casal se celebra, mas Godoy continuou seus amoríos, enquanto Jovellanos e Saavedra intrigam até conseguir que o rei o deponha, ante a oposição da própria María Luisa.Ante as contínuas ingerências de França, das que Napoleão passou a ser protagonista, os governos inoperantes se sucedem ante a crescente pressão gaulesa, Muitos voltam a olhar para a figura de Godoy, que prefere deixar o poder nas próximas mãos de Cevallos..

França pede autorização para invadir Portugal, aliado tradicional de Grã-Bretanha, através de nosso país. Segundo alguns Godoy intriga, propondo a divisão do território luso e reservando-se para o uma parte. Segundo outros não existiu tal intriga, senão um série de planos e pretextos, que eram a permanente desculpa para atrasar a invasão sem sofrer as conseqüências de uma nova guerra.

Declara-se a Guerra da Laranjas contra Portugal, ao negar-se este país a fechar suas portas à Armada Inglesa, invadindo-se seu território e conquistando-se rapidamente diversas populações do centro da zona fronteiriça. Olivenza e seu termino, depois de lago tempo passam novamente à soberania espanhola, enquanto Portugal estende em América suas terras mas lá de suas posses em Brasil. A paz se restitui em poucos dias. Foi o tratado de Badajoz, assinado a costas de França, que o interpreta como uma nova oposição de Espanha à ansiada invasão.

Irritado Napoleão contínua intrigando, tratando de que Carlos IV aparte do poder a Godoy, acusando-o de manter relações com a rainha María Luisa. Mas novos acontecimentos, provocados por Grã-Bretanha que tenta aproveitar-se destas difíceis relações, obrigam a um novo confronto com Espanha, que perdeu uma frota procedente de América. Foi um novo e inteligente pretexto, que provocou o desastre de Trafalgar e a consiguiente perda do poder marítimo de Espanha.

Novamente as intrigas políticas tentam separar a Godoy do rei, e esta vez nascem desde um circulo próximo a Fernando, o Príncipe de Asturias. Talvez, realmente era Godoy o verdadeiro impedimento para a conquista francesa de Portugal. Faz-se as aventuras cortesanas de Godoy e em seu desejo de ser nomeado depois da invasão, monarca do Algarve português.

Outras teorias chegam a dizer que o herdeiro se conjura com Napoleão, contra o próprio rei. Por isso, Carlos IV tenta cortar de raiz a conspiração e detém a seu próprio filho e a grande parte dos implicados. O povo intui a descomposição no seio da família real, assistindo desconcertado aos acontecimentos.França aproveita as lutas intestinas e com a justificativa de atingir Portugal inicia uma encoberta invasão do território espanhol em junho de 1807, enquanto diversos corpos de exército se situam em pontos estratégicos, ao mesmo tempo em que uma parte se dirige ao norte de Portugal.

Enquanto Junot se lança para o oeste, Murat rodeia Madri enquanto o herdeiro Fernando espera que isto seja uma manobra para forçar seu coroamento. O 15 de março a Corte abandona Madri caminho de Andaluzia. Ante esta fugida, propaga-se a notícia de que Godoy se pôs em mãos de França e surge como conseqüência, o motim de Aranjuez.

Godoy tem de ocultar-se pois é procurado com avidez pelos sublevados. Estes dão com ele, sendo confinado no Quartel de Guardas de Corps e mas tarde encarcerado. O rei abdica em seu filho Fernando VII, ainda que mas tarde parecer ser que se retracta. A família real se translada a Bayona enquanto pai e filho tratam de conseguir os favores de Napoleão numa vergonhosa pugna da que todos tratam de sacar partido.

Murat libera a Godoy e depois de jogar com as vilezas reais, decide nomear a seu irmão José como rei de Espanha. O 2 de maio de 1808 o povo de Madri encabeçado por alguns militares se levanta contra a ocupação francesa e um suposto rapto da família real. Inicia-se assim a Guerra da Independência.Godoy e seu séquito se exilian França, primeiramente a Fontainebleau, mas tarde a Marselha, e posteriormente em 1812 a Roma. Finalizada a guerra, Fernando VII regressa a Espanha e consegue novamente a abdicação de seu pai. Pede ao Papa que mantenha o desterro de Godoy e de sua família. O exílio em Itália não é óbice para que sua vida amorosa continue com um ritmo trepidante. Fernando VII exerce suas influências, fazendo impossível a dupla vida sentimental de Godoy.

O rei não permitiu jamais a volta de Godoy a Espanha, confiscando suas posses e suprimindo os estipendios que lhe chegavam. Em 1833 inicia seu reinado Isabel II e Godoy tenta sua reabilitação e recuperar suas propriedades. Para isso, envia a pepita a Madri ficando o resto da família em Paris. Até maio de 1847, não são devolvidos seus direitos a Godoy, que quatro anos depois morre no exílio sem conseguir retornar a sua pátria. Seus restos descansam hoje em Père -Lachaise, desde onde possivelmente regressem Espanha, para que definitivamente descansem na terra que lhe viu nascer.

 

 

 

A NOVELA QUE DESTRUIRÁ A LENDA NEGRA SOBRE GODOY

 

 

 

 

                             http://www.latraiciondelrey.es/index.html

 

 

 

 

 

 

BADAJOZ. 150 Aniversario. Notícias

No ano 2008 se cumprem o 200 aniversário da Guerra da Independência. Uma contenda que foi bastante mais, já que muitos historiadores a mencionam como Guerras de Independência Peninsulares.A história, ou melhor os historiadores, não sempre são justos ou equitativos. Toda Espanha se levantou contra os invasores e toda a pele de touro se tingiu de gestas heróicas. Algumas se levaram ao cinema e à literatura e encheram as páginas dos tratados. É o caso de Zaragoza, de seus lugares e de seus heróis.

Badajoz, chave para a invasão de Portugal, também encheu as páginas da história, e ainda que Espanha não reconheceu ou recordou suficientemente estes fatos, paradoxalmente, em Inglaterra, Portugal e França, sim que se valorizou (desde cada ótica) os acontecimentos que se sucederam durante aqueles difíceis anos na cidade e seus arredores. A Prefeitura de Badajoz, manifestou sua louvável e justa intenção de somar-se aos eventos que se preparam para este ano, adicionando seu desejo de levantar um monumentos-mausoléu, onde se depositem os restos de Manuel de Godoy e se levante uma escultura que perpetue a recordação deste insigne personagem, nascido na capital pacense. Naquela do XVII cuja fisionomia se recolhe na cabeceira desta página junto com a figura do personagem e sua casa natal.

Terça-feira, 15 de Janeiro de 2008.

O pleno da Prefeitura badajocense, aprovou a celebração do bicentenario da Guerra de Independência e a repatriação dos restos de Manuel Godoy, para sepultá-los definitvamente num monumento que se levantará, possivelmente, na praça de San Atón.Somente se está à espera, de que os sucessores do Príncipe da Paz autorizem o traslado dos restos desde Paris.

Sexta-feira, 23 de maio de 2008. Parecer ser que ultimamente surgiram alguns inconvenientes legais para o traslado dos restos de Godoy desde Paris a badajoz. Um grupo de vereadores da Prefeitura, visitaram a tumba do político e nos a mostraram na imprensa gráfica.Por outra parte, iniciaram-se as obras na rótula da vaga de San Atón, onde parece ser repousarão os restos do ilustre paisano. Sexta-feira, 23 de maio de 2008. Parecer ser que ultimamente surgiram alguns inconvenientes legais para o traslado dos restos de Godoy desde Paris a badajoz.

Um grupo de vereadores da Prefeitura, visitaram a tumba do político e nos a mostraram na imprensa gráfica.Por outra parte, iniciaram-se as obras na rótula da vaga de San Atón, onde parece ser repousarão os restos do ilustre paisano..

Segundo se comunicou desde a Prefeitura, o monumento será inaugurado o próximo dia 14 de junho, independentemente do traslado dos restos do ilustre paisano.

Em pouco tempo, poderemos ver mudada a fisionomia da vaga de San Atón, que terá um aspecto quiçá algo parecido ao que oferece a imagem situada sobre estas linhas.

Quinta-feira, 13 de junho de 2008.

Amanhã dia 14, se procederá ao ato institucional que terá como objeto a Homenagem a Godoy e a inauguração do sua estátua na praça de San Atón.

VER PROGRAMA DE ATOS

 14- 06 - 2008

         

          

           

       

TRÁMITES BUROCRÁTICOS ATRASAM O TRASLADO DOS RESTOS DE GODOY

 "HOY" 04 - 01 - 2008

IR A: 200 ANIVERSÁRIO DOS ASSEDIOS DE BADAJOZ

 Antonio García Candelas      Sugestões e impressões

ENTRAR GUERRA DA INDEPENDÊNCIA BADAJOZ