title>badajoz, os rios d cidadR .Estilo1 {font-size: large} body,td,th { font-family: Comic Sans MS; color: #FFFF00; } body { background-color: #000000; } a:link { color: #FFFF00; text-decoration: none; } a:visited { text-decoration: none; color: #FF0; } a:hover { text-decoration: none; } a:active { text-decoration: none; color: #FF0; } #AutoNumber1 tr td i blink font a { color: #0FF; } -->

OS RIOS DE BADAJOZ

 Version française   English versión  

A cidade de Badajoz se distinguiu sempre por sua situação goestratégica privilegiada. Segundo dados fidedignos a cidade foi fundada por Ibn Marwan no final do século X. A abundância e qualidade dos restos dispersos de procedência visigoda, não desvelou dados que assegurem que a população existiu durante períodos históricos anteriores. Se é verdade, que desde tempos remotos, os Cerros da Moa e da Orniza, junto com as ricas vegas do Guadiana, foram ocupadas por civilizações anteriores. Nasceu cobijada por seus rios, que foram suas primeiras defesas. O Guadiana, o Gévora e os ribeiros Rivillas e Calamón (antanho bem mais caudalosos) determinaram o assentamento e população destas ricas terras.

  

cuenca fluvial badajoz

 

Faz 50 anos, o rio era uma imensa piscina natural onde em verão, dava-se citação toda a cidade. Entre o Bico e a Ponte de Palmas, encontrava-se "a Praia da Sociedade "Amigos do Guadiana", acondicionada com todo tipo de serviços. Em orla oposta o Embarcadero de Vera, onde se alugavam as clássicas barcas e se podian tomar ao entardecer uns vinhos acompanhando a umas ricas vogas. Felizmente e depois de decênios abondonado o rio a seu passo pela cidade, está cobrando uma imagem e dimensão novas. as obras que realiza a Confederação Hidrográfica do Guadiana nas margens do rio, desde a A6 até a fronteira, converterão ao Guadiana e suas riveras na principal artéria e pulmão da cidade.

puente de cantillana
Ao noroeste de Badajoz confluyen dois importantes cuencas fluviais que unidas se abrem passo nos cerros da Orinaza e da Moa. O velho Anas dos árabes recebe as águas do Gévora e seus férteis vegas serviram de assentamento dos primitivos pobladores destas singulares terras.
pesquera pesquera pesquera
brazo jamaco
Reunidas suas águas num só leito, estas passam abaixo a Ponte da Autonomia e a centenária Ponte de Palmas. Águas abaixo e já caminho de Portugal dicurren entre os arcos da Ponte da Universidade e da Ponte Real. As necessidades de tráfico e lhe desenvolvo da cidade para o oeste, fazem necessária a construção do projetado "quinta ponte", que se localizará junto à fronteira portuguesa e a estação do futuro AVE Badajoz - Madrid.
guadiana piente de la autonomia
puente de palmas puente depalmas puente de palmas
puente universidad puente de la universidad
puente real
puente real
puente real
Os ribeiros Rivillas e Calamón abraçam a cidade pelo Sul, rodeando-a até desembocar no Guadina, junto ao lugar conhecido como O Bico. A última riada que assolou Badajoz obrigou ao encauzamiento destes ribeiros, levantando-se nove novos pontes ou passarelas que facilitam o tráfico e o passeio dos cidadãos por um novo parque nascido às margens destas novas obras hidraulicas.
puente de san roque
autovia
san roque
pasarela
sobre el calamon
calamon y rivillas
san roque
puentes de san roque y revellin
calamon
Fotografias propiedade do autore
Antonio García Candelas     link  Sugestões e impressões

BADAJOZ

ENTRAR