EVORA

Cudado Patrimonio da Humanidad

Nos passos das numerosas civilizações que compunham a sua história, quando o reino português se espalhou para o sul, Evora fez o seu caminho para a vida cada vez mais próspera da nação portuguesa, tornando-se um dos seus masclaves dinâmicos e florescentes. A aventura americana e o retorno de conquistadores e aventureiros, favoreceram seu crescimento. Um grande número de casas e palácios nobres, ao lado de sua Universidade fundada pelo cardeal Don Enrique, torná-lo um museu maravilhoso, presidido pelos estilos renascentista e manuelino.

Évora e os monarcas portugueses

Foi elevado à capital do reino e por longos períodos, a Corte estabeleceu sua residência aqui. A população viveu um longo período de floração, uma vez que após a nobreza numerosas ordens religiosas foram estabelecidas, que fundou um grande número de igrejas e conventos. Durante o reinado da dinastia Avís, eles ergueram importantes monumentos de estilos arquitetônicos tão diversos como Mudejar, Manuelino Gótico, Renascentista ou Maneirista. A nobreza contribuiu com sua presença para o enriquecimento do patrimônio monumental, como numerosos palácios nobres e casas foram construídas, cujos proprietários competiram uns com os outros em importantes tarefas de patrocínio. João II, D. Manuel I e D. João III levaram-na a alcançar o seu maior esplendor, no século XVI, dotando-a com a sua prestigiosa Universidade nascida das mãos da Sociedade de Jesus. As frequentes lutas com Castela favoreceram o fortalecimento de suas fortificações, independentemente das numerosas fortalezas que estavam entre a cidade e a fronteira. As primitivas construções romanas, árabes e cristãs foram reconstruídas e adaptadas aos novos tempos, garantindo a defesa através de vários cintos defensivos.

Após a invasão dos árabes, a população foi conquistada em 715 ou 717. Durante o período dos primeiros reinos taifa, foi uma das cidades mais importantes do Badajoz. No curto período do segundo taifas, era território independente, ameaçado pela pressão constante do reino lusionário nascente. Os elementos defensivos foram reutilizados pelos visigóticos e árabes, bem como pelo reino de Portugal, após a conquista da cidade, por Gerardo, o "pavor sem". À medida que a cidade se expandiu para fora das defesas mulsumanas, expandiu-se a necessidade de uma nova cerca murada ao longo do século XVI, durante o reinado de Afonso IV de Portugal. Évora foi o local da monarquia que estava estacionado na cidade por diferentes períodos de tempo.
e e e
e e e e
e e e
e r e e

e

e e
e

e

e

Após a conquista da cidade o jercito português no ano de 1166, a construção da primeira catedral dedicada à Virgem Maria foi iniciada, seu estilo de construção é entre o românico e o gótico. O templo teve sucessivas reformas e extensões. Por volta de 1330, um claustro de estilo gótico puro foi adicionado e mais tarde alto coro, púlpito, batistério e a capela de Nossa Senhora da Piedade em estilo manuelino foram adicionados. Na primeira metade do século XVIII, sua principal capela de estilo barroco foi erguida.

A figura histórica mais importante da cidade está ligada à catedral. O Cardeal e mais tarde rei, D. Henrique I de Portugal. Era irmão de João III de Portugal e após a Batalha de Alcazarquivir sucedeu ao seu sobrinho Sebastião I de Portugal. Após sua morte em 1580, sem deixar herdeiros diretos, uma crise de sucessão foi abordada que terminou com a nomeação de Filipe II de Espanha como rei de Portugal.

catedral evora catedral de evora catedral evora
c e c
c c catedral evora
e catedral evora e

Dezenas de igrejas monumentais e conventos são divididos pelo intrincado tecido urbano da cidade, mas uma pequena capela pertencente à Igreja de São Francisco, no centro da cidade monumental difere de todas as outras. Apesar de seu esplendor e magnificência, este canto particular que evoca as relações entre a vida e a morte, foi construído pela vontade de três monges do século XVII. Tem apenas 200 metros quadrados, escuro e escuro, o que faz com que o visitante uma sensação estranha. Tudo é produzido pelo revestimento escolhido para "adornar" seus tetos, paredes e colunas. Materiais utilizados: crânios, tibias, fibusianos, até esqueletos completos. Esta é a "Capela dos Ossos".

Como resultado do reinado de Filipe II, a corte decidiu mudar-se novamente para Lisboa e, com ela, a consequente idade de nobres e clérigos procurados na proteção real, a continuação de privilégios e servidões. A partir de então, Evora observava que a vida cidadã gradualmente perdia sua força, embora mantivesse a capital política e administrativa de sua área geográfica, da qual muitas populações importantes do centro sul de Portugal continuaram a pendurar.  

 

No século XVII durante a Guerra da Restauração, foi construído o Muro de AbaluartAda, que adaptou as defesas da população às novas técnicas defensivas contra o poder incomum da nova artilharia. Esta fortificação conhecida como seiscientista, consistiu em seis bastiões (jesus, Machede, Aca, Picadeiro, Príncipe e Conde de Lippe) e um forte exterior, dedicado a São Bartolomeu. Esteve envolvido em engenheiros de prestígio como Jean Gillot ou Nicolau de Langres.

a a
a a fortificacion abaluartada a
a a aa a
fortificacion a fortificacion fortificacion
a

fortificacion abaluartda

fortificacion abaluartada

fotografias de propriedade do autor

  Antonio García Candelas        Sugerencias e impresiones

ENTRAR

PORTALEGRE REDONDO CIDADES PATRIMONIO DA HUMANIDADE BADAJOZ